👨🏻‍🏭

S02:E05: The Future of Work

Foster: Opa! E aí, Alexia! Tudo bom?

💡

'Opa' is a simple filer word just to say, "hey!"

Alexia: Olá! Tudo e você?

Foster: Tudo bom! Tudo de bom! Estamos aqui no Chile, um dos nossos últimos dias aqui no Chile!

Alexia: Nosso último dia! Ah não! Em Viña Del Mar, é!

Foster: Sim!

Alexia: Depois daqui vamos pra: Buenos Aires!

💡

depois daqui vamos pra: Buenos Aires - after this we are going to Buenos Aires It is worth noting that in Portuguese you also go "for" places and therefore use the preposition "para."

Foster: Argentina! E já te contamos como vai ser!

Alexia: Já te contaremos!

Foster: Contaremos… ufff! Ok! Já começou mal! Então, Alexia, eu queria falar sobre uma coisa que me interessa muito, muito! Que é o futuro do trabalho!

Alexia: Uhum!

Foster: Porque a história antiga que você termina com a faculdade, você trabalha numa empresa por quarenta anos e daí você vai aposentar feliz, contente, com uma casa, isso não existe mais, né? Existe mas, existe muito menos.

Alexia: Existe dependendo da geração e dependendo do país também.

💡

In Portuguese, we always use the preposition "de" with the verb depender. 

Foster: Sim, eu estou falando basicamente nos Estados Unidos e também o que eu vejo acontecendo no Brasil, também.

Alexia: Sim.

Foster: Eu acho que nos Estados Unidos tá acontecendo de um jeito forte. Você acha que no Brasil está acontecendo também?

Alexia: Eu acho que um pouco mais devagar do que nos Estados Unidos mas, por exemplo, nas grandes capitais já é uma coisa que tá mudando sim.

Foster: Sim. E basicamente para mim é tipo o mundo do trabalho a economia e muito mais inestável.

Alexia: Instável.

Foster: Instável. Do que no passado.

Alexia: Isso. A economia estável. A economia instável.

💡

instável - unstable

Foster: Sim mas eu estou falando da… Basicamente do mercado pessoal, tipo, a carreira pessoal que você não vai ter o mesmo trabalho para sempre. E muito mais...

Alexia: Eu acho que é muito mais pelo fato de nós, a nossa geração, não querer mais estar no mesmo lugar por quarenta anos, porque antigamente era uma coisa de louvor! É uma honra você trabalhar…

Foster: De louvor? Palavra francesa?

Alexia: É uma coisa muito importante. Não…

Foster: Ah, tá.

Alexia: É uma coisa muito importante, muito honrada, você fazer parte de uma empresa por quarenta anos e ajudar a construir alguma coisa.

Foster: É.

Alexia: Por outro lado hoje em dia é assim: “que que eu vou fazer por quarenta anos numa mesma empresa, sabe?”

💡

Repeating the word "que" in questions is not grammatically necessary, but quite common for Brazilian in normal conversation.

Foster: É. Então eu acho que tem alguma coisa a ver com o fato de que é muito mais fácil viajar, então você não quer fica rnum lugar só.

Alexia: É muito mais flexível.

💡

Just a quick tip that any word ending in "ible" in English will take on the suffix "ível" in Portuguese. An easy way to immediately add thousands of words to your Portuguese brain!

Foster: Sim e também eu acho que tem a ver com o fato das grandes empresas talvez sejam um pouco mal vistas hoje em dia.

💡

tem a ver com - it has to do with the fact Note that this will take some getting used to if you already speak Spanish and have the tendency to say "tiene que ver"

Alexia: E também as grandes empresas, pelo menos no Brasil, estão contratando muito mais terceirizados do que empregados da própria empresa.

💡

pelo menos no Brasil - at least in Brasil

Foster: Basicamente quer dizer “freela”, né?

Alexia: É. Que são contratados terceirizados, que trabalham por três meses fazendo tal coisa e depois partem pra outra.

💡

contratados terceirizados - third-party contractors

Foster: Sim. E o que me interessa muito é que em resposta a essas mudanças que a gente fala sobre, a gente tá vendo coisas como AirBnb, Uber, HouseSitting e mais…

Alexia: CoWorking!

Foster: CoWorking!

Alexia: Existe algum de carro?

Foster: Uber?

Alexia: Não, não… Por exemplo: carro próprio. Vamos super que eu tenha um carro próprio e queira fazer um AirBnb de carro.

Foster: Ah, eu acho que existe. Já pensei nisso! Não sei se existe mesmo mas… É, tem uma empresa… Ah, como se chama? Ah! Enfim… Bom! Mas, é basicamente economia compartilhada!

Alexia: Sim!

Foster: The Sharing Economy - I hear that in English a lot. Or The Gig Economy. E é muito normal ver uma pessoa de nossa geração que tem… Sei lá! Que tá estudando… Que está trabalhando como fotógrafo, freela e também está dirigindo Uber, né?

Alexia: Sim! Nossa só tem na verdade.

Foster: Sim! E por exemplo nossas vidas: eu sou professor de inglês, professor de português, tenho dois podcasts, faço transcrições, faço tradução e… É uma loucura! É bem diferente! Tipo, meu pai nunca podia imaginar essa situação para mim.

Alexia: Não, é engraçado que você falou do seu pai, ontem eu contei pro meu pai sobre o Dog Sitting, né? House and Dog Sitting.

Foster: É, HouseSitting. Basicamente se você está de férias e você precisa de alguém para cuidar da sua casa e dos seus cachorros.

Alexia: É! E aí você arca… Você que tá querendo… Bom, você que tá alugando você não gasta nada, né? Você só tem uma pessoa dentro da sua casa num período de tempo determinado. E a pessoa que está indo cuidar da casa e dos animais, paga as passagens e o que ela tem de volta é um lugar de graça para ficar.

Foster: Sim. Que eu acho ótimo! Super legal.

Alexia: O meu pai está… Para quem não sabe o meu pai tem 72 anos. Meu pai está enlouquecido querendo cuidar de cavalo nos Alpes da Suiça!

Foster: É! Seria o máximo e também eu acho que é o melhor uso de espaço e de tempo compartilhar as coisas, né?

Alexia: Sim! Eu acho que hoje em dia todo mundo quer muita coisa e tem muita coisa. Então quanto mais as pessoas… Por exemplo: eu preciso de um lugar para ficar, sei lá, em São Paulo! Com certeza eu vou ter um AirBnb lá. E a pessoa podia tá alugando, né? Contrato de 36 meses mas na verdade, não, opta por cada mês ter uma pessoa diferente lá.

💡

com certeza - certainly, for sure

Foster: É.

Alexia: Então isso… Todas as necessidades dessas pessoas são feitas.

💡

então isso - so that's it

Foster: É! Então falando geralmente você acha uma coisa boa, né? A economia compartilhada.

Alexia: Bem e no Brasil, não sei mais onde tem mais, tem o DogHero!

Foster: Ah, DogHero!

Alexia: Que é o contrário do DogSitting, né? Quer dizer, é a mesma coisa que o DogSitting mas você leva o seu cachorro para a casa da pessoa e a pessoa não vai até a sua casa. E você paga como se fosse um Uber, né? De pessoas pra cuidar.

Foster: É! Mais um exemplo da economia compartilhada.

💡

mais um exemplo - another example In Portuguese, we also include the number after the word more. So for example, to say, "another beer please," we say, " mais uma cerveja, por favor."

Alexia: É.

Foster: Mas você acha uma coisa boa ou uma coisa que dá medo? Porque é muito mais difícil, agora você está competindo com o mundo inteiro, literalmente, o mundo inteiro.

Alexia: Me dá as duas sensações. É muito bom que muita gente tem esse mesmo pensamento e quanto mais compartilhamento tiver, melhor. Mas ao mesmo tempo é muito mais difícil, tem muito mais concorrência.

Foster: É, basicamente eu acho que todas as coisas políticas que estamos vendo pelo mundo inteiro tem a ver com essa ideia. E agora todos nos estamos concorrento juntos.

Alexia: Todos nós.

Foster: Nós!

Alexia: Isso!

Foster: E as coisas vão ser mais legais e mais difíceis ao mesmo tempo.

Alexia: Com certeza! Mas isso também só faz a gente querer lutar mais por aquilo que quer, né?

Foster: Tá! E num futuro episódio a gente vai falar sobre essa mudança que tem afetado a nossa vida também, né?

Alexia: Sim, bastante! E se alguém aí quiser aulas de português e a gente puder ficar na casa de alguém, tá ótimo também! É só mandar e-mail!

Foster: Sim! A gente faz aulas de conversação pra ficar em qualquer país do mundo!

Alexia: Eu cuido de cavalo, não tem o menor problema!

Foster: Bom, mais alguma coisa, Alexia?

Alexia: Não, só isso!

Foster: Tá! Brigado e até já já!

Alexia: Té já! Tchau!

Foster: Tchau!